Páginas

21 de out de 2014

2º turno entre sujos e mal lavados

Deixemos de lado competências municipais, estaduais e federais – afinal, isso não é uma aula de direito constitucional... Também deixemos de lado competências do legislativo, do judiciário e do executivo pelo mesmo motivo. Na dúvida, tem um pdf da nossa carta magna AQUI e o Google existe – use-o!!! (e se duvidar de qualquer coisa que está aqui exposta, use o tal do Google e pesquise... juro que não dói)


A imagem acima, por enquanto, é a única que vi compartilhada em redes sociais que se aproxima do verossímil. É tanta bizarrice, tanta coisa retirada de contexto histórico nacional e internacional... tanto #reginaduartefeelings... Que a vontade se divide entre correr para as montanhas e recomendar cirurgias corretivas oftálmicas. Essa queda de QI – generalizada! – que tem acometido as pessoas nessas eleições é preocupante...  

Está indeciso quanto ao seu voto no próximo dia 26? Compare o sujo com o mal lavado e não leve a sério o que nenhum militante de nenhum dos dois lados diz. Afinal, para o pessoal que perdeu os óculos seu escolhido é o retrato da perfeição e a solução para todos os problemas, enquanto o outro é o demo. Ademais, estude a constituição e entenda: sozinho, o presidente não pode resolver ou piorar coisa alguma... Esse eterno país do futuro por acaso é uma ditadura? Existem as tais divisões de competências sabe...

Mais uma palavrinha para os indecisos (e para os adeptos do discurso do MEDO): Bolsa Família. NENHUM, repito, NENHUM!!!, presidente é louco ou burro ou idiota de acabar com esse programa no curto e no médio prazos. Políticos não são bonzinhos e, sejamos honestos, também não estão preocupados com a situação do povo (caso de fato se preocupassem, isso aqui não seria mais esse país pobre de gente deseducada né...). Políticos se preocupam com eles mesmos e já sabem que o Bolsa Família e outros programas sociais lhes dão apoio. Logo, sejamos realistas: NENHUM seria retardado de ser eleito e acabar com esses programas – ao contrário, a tendência é mantê-los e quiçá ampliá-los e/ou melhorá-los, já pensando nas eleições de 2018.


Aécio é o candidato do capital? Ok. E Dilma favoreceu deliberada e efetivamente o capital. Dilma representa a esperança de reforma política? Really? Mas o PT aprofundou alianças com os setores retrógrados do sistema político brasileiro em defesa da governabilidade e não realizou nenhum movimento em direção à reforma política... nem mesmo quando, em junho de 2013, a conjuntura social favorecia o rompimento com esses setores e a reforma política. Na época, o PT e o governo Dilma preferiram estreitar as alianças espúrias e apoiar a repressão às jornadas de junho. Se hoje Aécio faz alianças com membros de setores retrógrados visando ser eleito, o PT faz isso há 12 anos visando à governabilidade. 

Dilma defende como uma importante conquista social e econômica o aumento do consumo... Mas esquece deliberadamente (ou ignora) que não foi empreendida a reforma tributária, que não foi criado o Imposto sobre Grandes Fortunas, que não foi auditada a dívida pública, que a parcela rica da população permanece rica e a parcela mais rica permanece riquíssima, e que vivemos em um momento (planetário!) no qual não devemos expandir o consumo, mas sim criar estratégias de justa distribuição da riqueza e promover o decréscimo e a redução do consumo.

No governo Dilma o ensino superior continuou se expandindo? Ok... só que a maioria das instituições de ensino superior, que são privadas, oferece uma educação de péssima qualidade, cujo fim é a formação de mão-de-obra semi-qualificada e barata para o mercado de trabalho e nosso nível de analfabetismo funcional entre portadores de diploma de curso superior é altíssimo! Sem falar que estamos sempre entre os últimos em testes internacionais que medem a qualidade da educação dos níveis fundamental e médio...

A exploração do pré-sal é garantia de um futuro melhor para o Brasil? Hahaha... faz-me rir! É imprescindível e urgente adotarmos uma nova matriz energética, além de desenvolvermos e investirmos em fontes de energia renováveis e não-poluentes (hello mudanças climáticas!). E as políticas energético-desenvolvimentistas do governo Dilma estão aprofundando a devastação sócio-ecológica e desrespeitando os direitos das comunidades tradicionais. Outra coisa: o novo Código Florestal, retrocesso para o meio ambiente, por acaso foi aprovado no governo do PSDB?

No governo Dilma a área cultural recebeu investimentos em toda a cadeia produtiva? Risos né. Dilma nomeou, para o Ministério da Cultura, Ana de Hollanda, que promoveu um profundo retrocesso no setor, em relação às conquistas das gestões de Gilberto Gil e de Juca Ferreira. Dilma representa os interesses e os direitos da população LGBT? Essa população passou os últimos 4 anos desamparada pelo governo Dilma, durante o qual foram revigorados os laços com o conservadorismo religioso no Congresso Nacional, políticas públicas LGBT’s existentes ou planejadas foram extintas e novas políticas públicas efetivas não foram criadas. No caso de políticas públicas para os direitos das mulheres, houve mais retrocesso do que avanço e os poucos avanços devem-se à atuação da militância, não ao governo.

Numa área que me interessa, a Política Externa, Dilma efetivamente fez o que de bom? Cri...cri...cri... Barão do Rio Branco se revira no túmulo, só digo isso. Uma área na qual existia uma política de Estado e não de governo... na qual a excelência na formação dos quadros dava o tom... Descarrilhamento e desdirecionamento geral e irrestrito! Só falta mesmo ter indicação política para fazer parte dos formuladores de política externa, em vez de estudar muito para isso... Oh wait, já querem fazer isso ...

Aécio será melhor do que Dilma nisso tudo? Não sei e há sérias dúvidas... Mas não posso falar nada sobre ele como presidente. Não posso compará-lo a FHC, como não posso comparar Dilma a Lula. É necessário que haja contextualização histórica-econômica-social, nos níveis nacional e internacional, para tecer quaisquer comparações. O Brasil (e o mundo!) de 2014 não pode ser comparado, levianamente e sem contextualização, com o Brasil dos anos 90 ou do início desse século. Posso comparar Dilma com Dilma, apenas. E se eu acreditasse que Dilma será diferente de Dilma, talvez considerasse votar nela... mas deixei de acreditar em Papai Noel há tempos. Que me desculpem os cegos ou usuários de alucinógenos pesados, mas esse país imaginário do pleno emprego, da inflação sob controle e sem pobreza, no qual a saúde, a educação, a mobilidade, a segurança, a geração de energia e a infraestrutura vão bem... olha, esse não é o mesmo país no qual vivo. 

A verdade é que ambos, Dilma e Aécio, estão de mãos dadas com o capital, com setores retrógrados, com fundamentalistas religiosos, com a corrupção. Ambos mentem – sobre si e sobre o outro. Ambos exageram – sobre si e sobre o outro. Ambos insistem em comparações que não podem ser feitas sem que haja uma contextualização histórica-econômica-social, que leve em consideração o nacional e o internacional. Ambos só chegaram onde chegaram por indicações – de amiguinhos e/ou de familiares. Ambos tem telhado de vidro cheio de rachaduras. Ambos terão uma situação difícil a enfrentar para colocar o Brasil nos eixos e um congresso que, no mínimo, dará trabalho.

Porém, entre continuar com Dilma e tentar com outro, fico com o outro – e, exceto Levy doido Fidelix e pastores de qualquer raça, eu ficaria com qualquer outro. No caso, é Aécio. Poderia ser Marina, Luciana, Eduardo... Continuar com o relacionamento atual, que vai mal, com desrespeito, falta de confiança, abusos e agressões não né... Se o próximo pode ser pior, igual ou melhor, por que continuar com o que está ruim? Se fosse um namoro/noivado/casamento, seria mais racional e pragmático continuar com quem é bacana no discurso e nas aparências, mas só dá desgosto... ou tentar com quem tem grandes probabilidades de dar desgosto, mas pode acabar surpreendendo e sendo bacana?

Leia também:






NOTAS:
- não sou militante de nenhum partido, não votei em Aécio no 1º turno e não falei da presidência de Aécio por um motivo óbvio: ele nunca foi presidente e, portanto, não posso falar dele como chefe do executivo federal. Não falo de hipóteses do que poderia ser... só do que foi ou é.
- voto em Aécio, agora, pelo mesmo motivo que me levou a votar em Lula em 2002: quem está aí já deu o que tinha que dar, então troquemos (preferiria, entretanto, testar e dar chance a um novo partido... mas parece que a maioria não...).
- para refletir: por muito menos nosso coleguinha Collor sofreu impeachment...
- algumas partes desse texto são de autoria de Fabiano Camilo e foram retiradas DAQUI.