Páginas

10 de mar de 2010

o ovo da serpente

“O fascismo começa caçando tarados”. Não conhecia a frase, mas a li hoje em um blog. Seu autor é Bertolucci (cineasta italiano). Gostaria de ter sido eu o autor pois explica muito em poucas palavras. Ideologias autoritárias sempre se disfarçam. E seu alvo predileto é o senso de justiça que habita em cada ser humano. Igualdade, fraternidade e liberdade são conceitos que todos compreendem, mas que podem ser manipulados. E são. E o mundo hoje parece um lugar apropriado para isso, como foi no início do século XX. Então pela crença no poder das revoluções, hoje por que andamos esquecidos.

Um bom exemplo é o anti-americanismo gratuito que campeia atualmente. Os EUA representam um conjunto de valores e a história do Brasil é recheada de sentimentos contraditórios em relação a este país. Mas é preciso ter sempre em mente quais valores eles representam, e o que é que se está criticando. Quando as pessoas acusam a cultura americana de manipular a idéia da liberdade, criando um povo um pouco, assim, como direi, alienado, é porque já não se lembram contra o que esta mesma sociedade lutou e que patrimonio nos legou. Seu próprio sucesso em servir de exemplo para todas as sociedades ocidentais fez com que esquecêssemos o motivo pela qual a democracia foi criada. Se hoje por todo lado o autoritarismo mostra a sua cara, é porque as novas gerações já não conhecem seus perigos. Nunca lutaram para criar este modelo, imperfeito, mas que razoavelmente protege o mais fraco, impede que a vontade da maioria esmague a minoria e que submete todos ao mesmo código de leis. Como não conhecem o mundo não democrático, como não lutaram para criar este sistema frágil e delicado, mas que é base de avanço civilizatório, muitos hoje desconhecem sua estrutura e chutam com gosto alguns de seus pilares.

Estou lendo um livro sobre Mao (escrito por Jon Haliday) e confesso que já pensei em parar várias vezes. Não porque seja ruim, nada disso. Pensei em parar pois é triste, muito triste ver o momento em que uma sociedade perde a guerra pelo futuro e é seduzida por caminhos sangrentos. O livro escorre sangue, pois Mao é um sádico criminoso, e qualquer socialista que resolva sair da teoria, seja no século XX ou no XXI, é um assassino em potencial. Cuidado agora, pois explico-me: da mesma forma como habitam no ser humano os conceitos nobres aos quais me referi no início do texto, também habitam a ambição, a inveja, a vingança e outros. Qualquer reunião de pessoas para discutir a abolição do sistema, a subverção da sociedade, vai, invariavelmente, unir dois tipos de pessoas, as que se guiam pelos primeiros valores e as que se guiam pelos últimos. E ainda mais, muitas vão pensar que são do primeiro grupo mas no meio do caminho vão perceber que a igualdade não é tão bacana assim quanto se dar bem. É assim a vida. E quando o sistema começa efetivamente a ser solapado, como na China, os bonzinhos sempre ficam chocados com a violência e com o ovo de serpente que chocaram. Acabam invariavelmente mortos e legam o futuro à um bando de assassinos do pior tipo: os manipuladores.

Isso me lembrou meus tempos de adolescente, participando do grupo de jovens do colégio. Fiquei impressionado quando me disseram que o diabo não vem com cara de diabo, pois seria fácil reconhecê-lo. Vem em forma de sorvete, de criança, de coisas boas e sedutoras. Deste então desconfio. De tudo. Com isso não digo que existe um ente por trás de todo o mal da humanidade. Quero com isso dizer apenas que o mal não seduz apenas os maus. O mal seduz quem falha em perceber o mal. Quero dizer que o ser humano carrega em si a capacidade de criar e de destruir e que as escolhas nem sempre são óbvias.

É por isso que a frase de Bertolucci é tão apropriada. O autoritarismo, seja fascista, socialista, militar, qualquer que seja seu disfarce, sempre nasce de grandes ideais, sempre nasce inspirador, prometendo um mundo melhor. Por isso deixo um conselho de graça: desconfie de boas intenções, desconfie de grandes mudanças, desconfie de OUTROS MUNDOS POSSÍVEIS! Os outros mundos possíveis que a humanidade conheceu são bem piores que esse. Lembre-se do ovo da serpente. Olhe sempre para os pequenos detalhes, pois a serpente não consegue esconder o rabo.




*texto retirado DAQUI. Por sinal, este blog vale muito a leitura.


*sobre totalitarismo